No Japão Novamente – Hanami

Sakura em Shinjuku Gyoen

Sakura em Shinjuku Gyoen

Com meu retorno ao Japão a tendência é voltar a postar no blog as entradas do tipo “diário de viagem”, junto com aqueles posts que descrevem pequenos detalhes do cotidiano.

Eu poderia (e talvez deveria) começar falando de como foi a viagem, de como é o dormitório (e o incrível sistema de fornecimento de água, luz e gás pré-pago!), meu primeiro contato com a Universidade e etc. Entretanto, por estar mais fresco na memória, vou falar um pouco do meu Hanami (contemplação de flores) solitário que realizei hoje.

O plano era simples, fazer um trajeto a pé do meu apartamento em Komaba, passando por dois hotspots para Hanami na cidade de Tokyo, o Parque Yoyogi e o Jardim Nacional Shinjuku Gyoen (que é o principal ponto de contemplação de Tokyo). Tinha planejado retornar a pé, já que a distância não seria tão grande (cerca de 5 km ou 6 km). Ocorre que eu não contava com os desvios e com o tamanho desses parques, por isso o retorno foi de trem 🙂

Pois bem, saí daqui às 9h manhã em um dia frio mas ensolarado, segui a pé até Shibuya, que fica a 15 minutos do alojamento. Shibuya é talvez o principal distrito de compras da cidade, então á fácil perder muito tempo lá. Como as lojas só abrem às 10h não tive motivos para me deter por ali, segui direto para Yoyogi. Já conhecia o parque, são mais de 500.000 m² bem no centro da cidade, mas nunca tive motivos para caminhar por toda essa extensão pois sempre achei ele um pouco sombrio em suas longas fileiras de árvores e espaços abertos povoados por corvos enormes. Hoje foi bem diferente, centenas das árvores do parque são cerejeiras cuja beleza só pode ser vista nessa época.

Yoyogi

Yoyogi

 

Essa beleza encontra dois contrastes interessantes. Por um lado há o contraste do estranho. Yoyogi fica ao lado de Harajuku, uma região conhecida como ponto de encontro de pessoas que se vestem de forma muito extravagante e excêntrica, e é no domingo que marcam presença na região. Por outro lado, há o contraste assustador, que é a quantidade de corvos no parque. Quem vê as imagens do Hanami imagina que toda a beleza florida é acompanhada do canto dos passarinhos, porém a verdade é que são dezenas de corvos grasnando ao mesmo tempo que criam o som ambiente. Longe de estragar a experiência, tudo fica mais… diferente.

Gente estranha saída de Harajuku

Gente estranha saída de Harajuku

Depois de explorar o parque fui até Meiji Jingu, o santuário do Imperador Meiji (cujo portal de entrada é o cabeçalho do blog, por sinal), e dali segui para Harajuku, passando pela mega lotada Takeshita Street. Como não sou uma pessoa que gosta de multidões, decidi fazer um desvio por uma rua lateral, e acabei saindo em outro santuário chamado Togo Jinja, o qual não conhecia, mas descobri se tratar do santuário em homenagem do grande herói de guerra japonês Togo Heihachiro. A grande surpresa foi que estava sendo realizado ali o que acredito ser um casamento tradicional shintoísta. Por cima de uma ponte consegui assistir o início da cerimônia ao som do Gagaku, a música típica da corte e desses rituais (aqui a partir dos 58s para quem quiser ouvir).

Takeshita Street em Harajuku

Takeshita Street em Harajuku

Dali segui então para Shinjuku Gyoen. Chegando lá me perguntei porque nunca visitei o local antes. É um parque absolutamente fascinante, são centenas (talvez milhares) de cerejeiras, ameixeiras brancas e uma série de outras árvores floridas espalhadas em grandes jardins de diferentes estilos, que vão de um cenário japonês tradicional a um ao jardim tradicional Inglês e um jardim formal francês. Tem ainda uma estufa cheia de flores e plantas de países tropicais, Okinawa, orquídias… Não há palavras para descrever a beleza do local. Deixo que as fotos falem em meu lugar.

Shinjuku Gyoen

Shinjuku Gyoen: jardim tradicional japonês

091

094

096

Já cansado, retornei para Shibuya, onde comprei um travesseiro na Muji (sim, ainda estou me equipando com coisas básicas, mas me impressiono como aqui se paga barato por produtos de qualidade excelente). Já ia voltar ao dormitório (isso às 16h, portanto foram 5 horas andando sem parar) mas como começou a chover entrei em uma das típicas lojas de departamento japonesas de 8 andares, o que foi bastante providencial, pois fiz meu primeiro amigo japonês aleatório, o Owada san ! Como não podia deixar de ser, ele era o vendedor das máquinas de café, e me abordou para apresentar uma promoção da Nespresso (que sai aqui por míseros 200 reais !), aproveitei para treinar um pouco de japonês e comecei a conversar com o sujeito. Me deparei com um cara super simpático que sabe muito sobre o Brasil, especialmente futebol, perguntou de onde eu era, conhecia dois  times da capital (óbvio que o time desconhecido era o Paraná Clube), falou muito sobre jogadores brasileiros da década de 70, 80, chances do Brasil na Copa. Enfim, a típica situação que mostra que os Japoneses podem até parecer fechados, mas quando você menos espera encontra pessoas extremamente abertas e receptivas.

Por fim, terminei meu dia comendo morangos de chocolate branco, algo que ouvi falar anos atrás, que são morangos congelados a seco, cobertos e preenchidos com chocolate branco. E não é que essa bizarrice é boa mesmo?

Morangos de Chocolate Branco

Morangos de Chocolate Branco

Anúncios

5 Respostas para “No Japão Novamente – Hanami

    • Muito legal ! Vou dar um conferida nessa animação. Será que tem streaming em algum lugar? (aqui não posso fazer downloads né =/)

  1. Olá
    Meu nome é Karina,sou estudante de Direito (vou me formar em junho do próximo ano), e estou interessada em participar da seleção para bolsa de estudos no Japão através do programa MEXT, estou com um pouco de dificuldade em encontrar as informações necessárias, e acredito que você possa me ajudar, procurei seu email no Currículo Lattes CNPQ mas não está disponível.
    Gostaria muito de um pouco do seu tempo, gostaria de saber quais são as universidades e programas japoneses reconhecidos no Brasil , tenho interesse em fazer mestrado porém estou com dificuldades em saber quais são as universidades reconhecidas.
    Por favor, entre em contato comigo.

    Grata.

    • Meu email é eduardompa@gmail.com, sinta-se a vontade para enviar qualquer pergunta.

      Por hora, respondendo suas perguntas iniciais, sobre o reconhecimento no Brasil, informações sobre revalidação de título obtido no exterior pode ser obtida junto às Universidades que realizam esse tipo de serviço (USP, UFPR, UNB e etc), e geralmente exige a compatibilidade com os programas brasileiros em matéria de horas/créditos, número de páginas da tese (confesso que não me informei muito sobre isso). No Japão, assim como no Brasil, o mestrado e doutorado segue regras padronizadas pelo Ministério da Educação, então a sua busca deve ser não por Universidades reconhecidas, mas por Universidades em que você preencha os requisitos de ingresso via MEXT, que geralmente, na área de Direito, são compatibilidade da linha de pesquisa com algum orientador e fluência em japonês (esse último requisito foi o que encontrei nas minhas Universidades de interesse, não sei se existem programas que aceitam alunos sem domínio do idioma).

      Portanto, seu foco deve ser um projeto de pesquisa forte com um tema que possa ser pesquisado no Japão.

      • Muito obrigada pelo seu tempo, acabei de lhe enviar um e-mail.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s